compulsão alimentar

Compulsão alimentar: o que é e como tratar?

A compulsão alimentar é caracterizada pela falta de controle na ingestão de alimentos. Pessoas com este distúrbio tendem a comer de forma descontrolada, mesmo quando não há fome ou quando a fome já foi satisfeita. Assim, pode-se cometer excessos significativos.

Após o episódio de compulsão, é comum o surgimento de sentimentos de culpa ou impotência. 

O paciente que sofre de compulsão alimentar pode desenvolver transtornos de ansiedade e, em muitos casos, depressão. Isso acontece graças à frequência do comportamento e pela sensação de perda do próprio controle.

Quais são os sintomas da compulsão alimentar?

Além da ingestão frequente de alimentos sem que haja fome, e da quantidade de calorias ingeridas, pessoas compulsivas podem apresentar os seguintes comportamentos:

  • comer escondido, uma vez que podem se sentir constrangidas, envergonhadas ou frustradas pela situação;
  • comer muito depressa;
  • comer muitas vezes por dia, em quantidades significativas, mesmo que isso implique em sensações físicas desagradáveis e, em casos extremos, em vômitos;
  • comer como forma de aliviar o estresse, problemas do trabalho, ou a insatisfação com relações afetivas;
  • sentir culpa, mas não conseguir parar de comer.

Quais são as causas do comportamento?

Existem múltiplas razões para o desenvolvimento deste distúrbio. Ele pode ser engatilhado, por exemplo, por dietas extremamente restritivas.

Em alguns casos, a compulsão alimentar pode surgir como uma espécie de compensação. Indivíduos ansiosos ou deprimidos podem ver a comida como um escape, ou como forma de adquirir um prazer que está ausente. Pessoas estressadas, por sua vez, podem aumentar o consumo de doces para tentar abrandar o problema.

Disfunções hormonais também podem colaborar para o aumento da ingestão de comida, dado o fato de que podem atrapalhar os sinais de fome e saciedade do corpo.

Riscos

Indivíduos com o distúrbio estão mais propensos a apresentar transtornos de ansiedade e depressão. 

Além disso, podem ter quadros de purgação logo após os episódios de compulsão. Este comportamento, como sabemos, pode dar origem a outros problemas de saúde severos, como a bulimia nervosa ou mesmo a anorexia nervosa.

Qual é a forma de tratamento?

Assim como outros distúrbios de ordem psicológica, a compulsão alimentar deve ser tratada com seriedade e por uma equipe multidisciplinar. 

Ao psiquiatra cabe fazer uma avaliação do quadro geral do paciente, buscando conhecer melhor o seu histórico médico e os acontecimentos recentes de sua vida. Consideramos que traumas ou situações de instabilidade podem gerar alterações significativas na saúde mental.

A partir daí, o especialista deve orientar e prescrever medicações que auxiliem no controle da ansiedade e, caso seja necessário, no funcionamento dos receptores de serotonina. O tratamento medicamentoso é sempre personalizado.

A psicoterapia é uma excelente aliada no tratamento da compulsão e de doenças associadas, já que pode trabalhar os gatilhos da ansiedade e as razões por trás do comer compulsivo. A terapia também auxilia na criação de dispositivos de reconhecimento e controle emocional.

Por fim, é recomendado ao paciente que busque praticar exercícios e fortalecer a sociabilidade, já que a compulsão alimentar pode tornar as pessoas mais inibidas e menos propensas ao compartilhamento de atividades prazerosas.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Foz do Iguaçu!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe