bulimia nervosa

O que é bulimia nervosa?

Chamamos de bulimia nervosa o distúrbio caracterizado pelo consumo repetido e rápido de quantidades massivas de alimentos (em um quadro de compulsão alimentar). A compulsão é seguida por tentativas de eliminar o que foi consumido por longos períodos de jejum, exercício extremo ou purgação.

A maior parte das pessoas afetadas pelo problema são mulheres, adolescentes ou jovens adultas. Embora possa haver fatores hereditários envolvidos na situação, acredita-se que a maioria dos casos é resultado de pressões estéticas e sociais.

Quais são os sintomas da bulimia nervosa?

Como já comentamos brevemente no início deste artigo, essa é uma doença caracterizada pela compulsão alimentar, seguida de tentativas de expurgo do alimento consumido.

Não é incomum que pessoas com esse diagnóstico comam em segredo, uma vez que o quadro causa constrangimento, sentimentos de vergonha. O distúrbio é uma denúncia da perda de controle individual.

Em momentos de compulsão alimentar, os pacientes podem comer quantidades muito elevadas de alimentos doces, como chocolates, bolos e bombons, e podem ocorrer diversas vezes por dia.

Após a ingestão de tantas calorias, o indivíduo afetado entra em processo de culpabilização. Para tentar “compensar” os excessos, ele pode forçar o vômito, ingerir remédios diuréticos ou laxantes, fazer exercícios até a exaustão, passar um ou mais dias sem comer ou combinar todos esses fatores.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com base no comportamento do indivíduo, que pode ter flutuação de peso constante e preocupação exacerbada com o peso corporal e com a sua aparência. 

Dificuldade de conviver com outras pessoas, problemas para sair de casa, baixa autoestima, depressão e até quadros de automutilação podem estar relacionados ao problema-título deste artigo.

Além de ouvir o próprio paciente, o médico especialista pode buscar por outros sinais de purgação, como baixo nível de potássio (detectado em hemogramas completos) ou erosão do esmalte dentário, devido ao excesso de vômitos.

Como é feito o tratamento?

Cada caso é único, uma vez que alguns pacientes podem ter sintomas que exigem medicação específica. Também podem haver doenças atreladas à bulimia, como depressão e ansiedade.

O tratamento da bulimia nervosa consiste na introdução medicamentosa e psicoterapia na vida do paciente. Com a união das técnicas, espera-se motivar uma mudança de pensamento, tirando o foco do indivíduo apenas na sua forma física. Com isso, busca-se que ele concentre seus pensamentos para outros aspectos de sua personalidade e vivência.

Para além disso, a terapia pode fazer com que haja recuperação da autoestima, aceitação do próprio corpo, busca por alimentação mais saudável e diminuição dos episódios de compulsão alimentar.

Outros problemas normalmente atrelados, como os transtornos de ansiedade, também pode ser tratados e abreviados com a ajuda da psicoterapia e da medicação.

Ao paciente, recomenda-se também a prática de atividade física edificante, sem excessos e com respeito às limitações do corpo. Os exercícios físicos contribuem para a manutenção da saúde, do peso e estimula a sociabilidade.

Não se deve, de forma alguma, tratar um indivíduo com bulimia nervosa de forma leviana, diminuindo o seu problema ou taxando-o de futilidade. Em um mundo em que a imagem frequentemente está atrelada ao sucesso profissional, financeiro ou pessoal – ainda que erroneamente -, a pressão é sentida de formas diferentes por cada indivíduo.

Embora caiba aos médicos sugerir uma ação medicamentosa ou caminho terapêutico, a ajuda e compreensão da família e do círculo de amigos são primordiais. Geralmente, são as pessoas mais próximas ao paciente que percebem os sinais da bulimia nervosa. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Foz do Iguaçu!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe